Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Em nove anos os visitantes podem chegar aos 40 milhões
Segunda, 23/05/2016

A estimativa faz parte do Plano Geral do Desenvolvimento da Indústria do Turismo de Macau, que foi hoje apresentado na versão para consulta pública. O documento coloca dois cenários. No menos conservador, estima-se um crescimento médio do número de visitantes entre 38 milhões e 40 milhões, o que significaria um aumento anual de 3 a 5 por cento.

 

Já numa estimativa mais conservadora, de crescimento médio anual de 1 a 2 por cento, este plano prevê que o número de visitantes em 2025 poderá situar-se entre os 33 milhões e os 35 milhões. Dentro deste cenário, a directora dos Serviços de Turismo diz que a meta é um “aumento grande” dos visitantes de outros mercados que não o chinês. “Não está patente neste documento, mas internamente temos um alvo, a percentagem de visitantes internacionais vai atingir entre 14 a 15 por cento, se o crescimento médio atingir os 33 milhões a 35 milhões”, disse Helena de Senna Fernandes.

 

Em 2015, o número total de visitantes fixou-se nos 30.714 milhões, sendo que 9 por cento eram provenientes de mercados internacionais.

 

Neste Plano Geral do Desenvolvimento da Indústria do Turismo há ainda a estimativa que, em 2025, as receitas dos elementos extra-jogo fiquem algures entre os 96 mil milhões e os 112 mil milhões de patacas, quando, no ano passado, representaram 51 mil milhões das receitas totais.

 

O Plano Geral do Desenvolvimento da Indústria do Turismo define estratégias a curto e médio prazo para o sector. A população terá a oportunidade de opinar justamente sobre o número de visitantes. Caso não concorde terá de encontrar-se um “equilíbrio”.

 

“Numa fase de consulta temos de estar abertos [a todas as opiniões]. Com isto, o sonho é criar uma cidade que é boa tanto para a população como para os turistas. Tem de haver um equilíbrio entre os dois. Nesta altura do campeonato, não nos devemos pronunciar sobre o resultado final porque ainda não chegamos lá”, afirmou Helena de Senna Fernandes, durante a apresentação do texto para consulta pública, que se realiza até ao dia 22 de Julho.

 

Este plano foi elaborado pela AECOM Asia Company Limited, que venceu o concurso público. A empresa recebeu mais de 18 milhões de patacas por este trabalho.