Em destaque

18 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20602 patacas e 1.1314 dólares norte-americanos.

Tsui Wai Kwan quer aviões de papel longe de Santa Sancha
Sexta, 20/05/2016

Junto da residência oficial do Chefe do Executivo, nem gritos, nem aviões de papel. É o que defende o deputado Tsui Wai Kwan, que usou o período de intervenção antes da ordem do dia na Assembleia Legislativa para fazer uma declaração de censura sobre o protesto de Domingo, que juntou milhares de pessoas na rua contra Chui Sai On.

 

Tsui Wai Kwan diz que os manifestantes desafiaram as ordens da polícia e protestaram na Colina da Penha de forma ilegal. Para o deputado, é uma questão de princípio: “Não se deve reunir ilegalmente junto da residência oficial do Chefe do Executivo, nem gritar, nem lançar aviões de papel. Os manifestantes não sabem que os seus actos estão a incomodar os habitantes das proximidades, e a assustar os idosos e crianças dessas casas? (...) Este acto deve ser censurado”.

 

Já a actuação da polícia, que cortou a meio o passeio de Nam Van e bloqueou a estrada de acesso à residência oficial de Chui Sai On, merece elogios. Tsui Wai Kwan diz que as autoridades agiram com “bastante controlo”.

 

O plano dos manifestantes era entregar uma petição ao Chefe do Executivo. Com o perímetro de segurança estabelecido pela polícia, a alternativa foi transformar as cópias da lista de reivindicações, distribuídas durante o protesto, em aviões de papel e fazer pontaria ao interior da residência oficial de Chui Sai On.