Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Policiamento comunitário abrange casos de droga em prédios
Terça, 17/05/2016

A Polícia Judiciária (PJ) quer detectar casos de tráfico e consumo, dentro de portas, através do policiamento comunitário. O papel de polícia-cidadão está a ser disseminado através do grupo Amigos da Prevenção Criminal na Área da Habitação.

 

O grupo tem como coordenador-geral o empresário Lao Ngai Leong, que é também presidente permanente da Associação de Administração de Propriedades de Macau. Pelo menos 90 cidadãos já integram este projecto de policiamento comunitário, uma vez que foi este o número de Amigos da Prevenção Criminal na Área da Habitação convidados para o encontro de hoje com a PJ.

 

No âmbito deste projecto, a PJ dá formação aos “trabalhadores de gestão predial e membros das comissões do condomínio”. No entanto, o objectivo não é apenas o melhoramento das medidas de prevenção contra roubos nos prédios. A formação aos porteiros também serve, por exemplo, para incentivar denúncias de casos suspeitos de consumo e tráfico de droga.

 

“Através deste projecto de Amigos da Habitação, nós damos formação às associações e porteiros para eles saberem, primeiro, como identificar casos de droga. Se houver algum caso suspeito de pessoas que consumam droga, eles vão informar a PJ e nós depois fazemos investigação, de uma forma secreta”, referiu o director da PJ.

 

Chau Wai Kuong alarga o apelo a todos os cidadãos que, considera, são “responsáveis” pela prevenção dos crimes relacionados com estupefacientes. “Não somente as escolas e a polícia têm responsabilidades na prevenção do consumo. Toda a população é responsável pela prevenção destes crimes. Com esta medida é possível ajudar os jovens a irem para os caminhos correctos.”

 

Em comunicado, lê-se que o encontro de hoje entre a PJ e os Amigos da Prevenção Criminal na Área da Habitação serviu para se discutirem formas de prevenção de roubos e furtos em residências e também para se encontrarem formas de atrair mais cidadãos para o projecto, nomeadamente através do contacto com associações ligadas às instituições do ensino superior e centros de juventude.

 

De referir que a Assembleia Legislativa está a analisar na especialidade a proposta de lei que revê a lei da droga e que sugere penas mais pesadas para os crimes de tráfico e também de consumo.