Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

DSEJ quer alargar apoio a alunos que estudem em Guangdong
Terça, 10/05/2016

A Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) pretendem alargar o plano de subsídio de propinas para alunos de Macau que frequentam estabelecimentos de ensino na província de Guangdong. Neste momento, as cidades de Zhuhai, Zhongshan, Jiangmen, Cantão e Foshan estão abrangidas, mas o número deve subir com a inclusão de Dongguan e Shenzhen, no próximo ano lectivo.

 

A DSEJ justifica a medida com o aumento de estudantes residentes de Macau a estudar em escolas dos ensinos infantil e secundário complementar da província vizinha. Numa primeira fase, vão ser feitos contactos com as autoridades chinesas para estabelecer os protocolos necessários.

 

O plano foi introduzido em 2012/2013. Na altura, abrangeu 210 alunos e correspondeu a um investimento de 800 mil patacas. Este ano lectivo, o apoio deve chegar a dois mil jovens. A DSEJ prevê desembolsar cerca de dez milhões de patacas.

 

O subsídio existe no âmbito do Acordo-Quadro de Cooperação Guangdong-Macau e já apoiou cerca de quatro mil alunos. Enquanto os do ensino infantil podem receber um montante máximo de seis mil patacas, os do ensino secundário complementar candidatam-se a quatro mil patacas.

 

Os valores foram apresentados, esta tarde, após uma reunião do Conselho de Educação para o Ensino Não Superior. O encontro serviu ainda para adiantar a actualização do subsídio de escolaridade gratuita por turma, que pode ir de 913.600 patacas a 1,3 milhões de patacas, no próximo ano lectivo.

 

O programa de financiamento para actividades extracurriculares também vai ser alargado. Cada turma pode receber 25 mil patacas.

 

Em 2016/2017, a DSEJ vai criar 120 bolsas para “alunos excelentes”. Os apoios vão de 79 mil patacas a 218 mil patacas, dependendo das regiões e dos países onde os estudantes prosseguem os estudos.