Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Universidade de Jinan: Governo nega tráfico de influências
Domingo, 08/05/2016

O Governo esclarece que o apoio concedido à Universidade de Jinan vai também beneficiar os estudantes de Macau. O esclarecimento é feito num comunicado do Gabinete do Porta-Voz do Governo, face à “existência de rumores e acusações no seio da sociedade”.

 

O Executivo lembra que “a formação de quadros qualificados é uma política nacional e também o foco das linhas de acção governativa da RAEM” e que as medidas de austeridade nas despesas da Administração não vão “afectar as apostas necessárias às condições de vida da população, incluindo o ensino”.

 

“O financiamento da Fundação Macau atribuído à Universidade de Jinan para a construção de novas instalações universitárias não irá afectar as apostas que o governo da RAEM faz no ensino superior local, pois não existe conexão entre as despesas nesta área e esse financiamento” lê-se no comunicado.

 

Na nota, é sublinhada ainda a ideia de que “existe um mecanismo de fiscalização adequado no qual será garantido que os fundos concedidos sejam utilizados somente no objectivo definido”.

 

O comunicado enfatiza que “o Chefe do Executivo foi convidado para desempenhar as funções de vice-presidente do Conselho Geral da Universidade de Jinan, não recebendo qualquer remuneração ou interesses, pelo que não existe tráfico de influências, tal como tem sido acusado”.

 

O Governo lembra que financiamento da Fundação Macau à Universidade de Jinan serve para apoiar a construção do edifício para o ensino na área da comunicação social no campus de Cantão e duas residências para estudantes de Hong Kong e Macau no novo campus do distrito Panyu (campus Sul). As instalações vão ser usadas, também, por estudantes de Macau.

 

“O Governo de Macau espera poder contribuir para o crescimento e o fortalecimento desses jovens, que após conclusão dos cursos, regressam e participam no desenvolvimento da RAEM”, acrescenta o comunicado.

 

O Executivo afirma ainda que “vai continuar a aperfeiçoar os trabalhos e tal como sempre, auscultar as opiniões racionais, viáveis, com fundamento real, e sugestões construtivas dos diversos sectores serão ainda mais bem recebidas”.