Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Coutinho: Salários baixos "destabilizam" serviços consulares
Domingo, 01/05/2016

Com os baixos salários praticados no consulado de Portugal em Macau não é possível garantir a estabilidade da equipa de funcionários, alertou, em Lisboa, José Pereira Coutinho, conselheiro das comunidades portuguesas.

 

Em declarações à agência Lusa, Coutinho avisou que os baixos salários em relação ao custo de vida local dificultam a contratação de pessoal: “Com os salários praticados em Macau não se vai de maneira nenhuma criar estabilidade ao nível dos recursos humanos no consulado de Portugal em Macau, pelo contrário, destabiliza e obriga à repetição dos procedimentos burocráticos para a admissão de funcionários”.

 

Segundo o conselheiro, esta situação cria instabilidade nos recursos humanos e afecta os serviços consulares: “As pessoas não têm mãos a medir com o volume de trabalho que têm, principalmente no registo civil e na resolução das marcações para renovação do cartão de cidadão e de passaportes”.

 

A questão dos baixos salários é antiga e foi agora comunicada também ao secretário de Estado das Comunidades portuguesas.

 

Nestas declarações, Pereira Coutinho deu ainda conta de dificuldades na emigração de portugueses para Macau: “Há dificuldades estruturantes porque cada vez mais é necessário o conhecimento das línguas oficiais, o que dificulta a ida de portugueses para Macau”.

 

No entanto, referiu que há profissões, como na área da saúde arquitectura ou engenharia “em que a questão da língua não é tão exigente como noutras profissões” e que podem ser uma oportunidade para os portugueses.

 

Pereira Coutinho defendeu ainda que o turismo de chineses para Portugal deve ser potenciado, nomeadamente com a criação de “rotas aéreas directas entre as cidades chinesas e Lisboa, Porto e Faro”.