Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Novo Macau quer investigação local a Ng Lap Seng
Terça, 26/04/2016

A Associação Novo Macau entregou uma petição ao Comissariado contra a Corrupção pedindo que investigue o caso de Ng Lap Seng, empresário acusado de corromper um alto funcionário da ONU.

 

O caso está sob investigação nos Estados Unidos, mas a associação considera que cai também sob a jurisdição de Macau, de acordo com a informação divulgada nos documentos das autoridades norte-americanas.

 

A queixa-crime, tornada pública por um tribunal de Nova Iorque, revela que Ng Lap Seng tentou obter aprovação de dirigentes norte-americanos, através de subornos, para que a sua empresa, San Kin Ip Group, construísse um centro de exposições da ONU em Macau.

 

O então presidente da Assembleia-Geral da ONU, John Ashe, após ter alegadamente recebido fundos de Ng, modificou um documento oficial, indicando que a San Kin Ip seria responsável pelo projeto. “Além disso, o documento revela que os fundos usados para o suborno tiveram origem em Macau”, sublinha a Associação Novo Macau (ANM).

 

A associação cita a queixa-crime, dizendo que representantes de Ng levaram este documento da ONU a um banco de investimento de Hong Kong e à International Telecommunication Union, de modo a demonstrar que o projeto tinha apoio das Nações Unidas.

 

Segundo a Novo Macau, Macau está obrigado a investigar o suborno de dirigentes de organizações internacionais públicas, de acordo com a Convenção contra a Corrupção da ONU. No entanto, o Regime local de Prevenção e Repressão dos Actos de Corrupção no Comércio Externo apenas considera estes subornos crime “no âmbito do comércio externo”.

 

A associação pede, assim, ao Comissariado Contra a Corrupção que investigue se que a San Kin Ip Group “beneficiou ilegitimamente ao ter apresentado o documento oficial alterado da ONU a um banco de investimento e a uma organização internacional no âmbito do comércio externo”.

 

Em Outubro, o Governo de Macau disse não possuir “qualquer informação sobre o processo”, e o CCAC afirmou "não ter quaisquer comentários a fazer", enquanto a Polícia Judiciária disse não ter detalhes sobre o caso.