Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Terça-feira)
Terça, 26/04/2016

As novas normas para decretar a morte cerebral estão em destaque na imprensa local, assim como a detenção de um agente da PSP por suspeitas de auxílio à imigração ilegal. Em Hong Kong os jornais saem para as bancas com temas variados.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun titula que “mais uma das antigas Oficinas Navais de Coloane está em risco de ruir”. Cinco famílias, que vivem nas imediações, terão de ser realojadas, acrescenta este diário.

 

O Va Kio coloca em grande destaque a detenção de um agente da PSP por suspeitas de auxílio à imigração ilegal. Este agente estava suspenso desde o ano passado devido a um caso de alegada extorsão e trabalhava agora como taxista.

 

Ou Mun Tin Toi

 

O canal chinês de rádio da TDM realça também, esta manhã, a detenção do agente da PSP, suspeito de ter ajudado pessoas a entrarem de forma ilegal em Macau.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

O título do Hoje Macau diz “a força do óbito”. A promessa veio de Alexis Tam e está finalmente cumprida. As novas normas para decretar a morte cerebral foram já homologadas pelo Chefe do Executivo e entram em vigor no final de Agosto. Num dos destaques de primeira página referência ainda para o programa do French May.

 

O Jornal Tribuna de Macau escreve “esquecidos num canto da cidade” a propósito de uma reportagem sobre os moradores do Pátio do Espinho que “evitam pensar sobre o futuro”. O destaque fotográfico é feito com as comemorações do 25 de Abril em Macau: “cravos que não murcham”.

 

“Morte cerebral promessa de vida” lê-se no Ponto Final sobre o facto de estarem “reunidas as condições para que as unidades hospitalares do território possam efectuar transplantes de órgãos”. Referência ainda na primeira para uma entrevista com o coleccionador de postais fotográficos João Manuel Loureiro: “Macau, destino certo e seguro”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

“Sistema de quotas ambíguo” é a manchete do Business Daily. O jornal financeiro dá voz ao descontentamento de empresários locais e de investidores estrangeiros por causa dessa “ambiguidade” no sistema de contratação de trabalhadores não residentes, e nas limitações dos talentos locais. Em foco nesta edição ainda os salários na China: estudo revela que os quadros qualificados recebem em média 1,9 a 2 por cento mais do que os mesmo quadros no vietaneme ou nas Filipinas.

 

No título do Macau Daily Times lê-se que “crescimento do número de não residentes estagnado temporariamente” – dados oficiais demonstram um ligeiro decréscimo de 0,37 por cento em Março, face a Fevereiro. Em rodapé, que é acompanhado pela fotografia de capa, o diário dá conta que o Dia Anzac foi assinalado em Macau e Hong Kong prepara-se para celebrar a coragem em tempos de adversidade.

 

O Macau Post Daily escreve em manchete que “Alfândega prendeu polícia por auxílio à imigração ilegal”. Em destaque também no Post um caso macabro em que a cabeça de um homem estrangeiro foi encontrada nas Filipinas, numa ilha remota do sul do país.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O China Daily titula que a China é um mercado chave para as empresas estrangeiras desenvolverem projectos inovadores. O destaque fotográfico diz que Chefe do Executivo de Hong Kong sublinha a importância da liberdade de imprensa.

 

O South China Morning Post escreve em manchete que “Governo rasgou plano para redefinir linha de pobreza”. O destaque fotográfico mostra um acidente em que um camião carregado com um tanque com 4 mil litros de gás de petróleo liquefeito está caído no chão. O trânsito esteve cortado por várias horas enquanto os bombeiros tentavam neutralizar os riscos de uma explosão.

 

O Standard diz em título: “CY Leung ilibado na saga da mala”. A Autoridade do aeroporto “não encontrou falhas” no cumprimento das regras de segurança. A mala, que ficou esquecida no aeroporto, pertence à filha do Chefe do Executivo de Hong Kong.