Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Função Pública: Governo revê lei de atribuição de casas
Sexta, 22/04/2016

O Governo vai rever as regras para atribuição de moradias aos funcionários públicos. A ideia é alargar a medida a mais trabalhadores. A proposta foi anunciada pelo Chefe do Executivo, Chui Sai On, que esteve esta tarde na Assembleia Legislativa para responder a perguntas dos deputados. A habitação foi um dos temas em destaque.

 

Apesar das descidas no mercado imobiliário, Chui Sai On diz que as casas ainda estão fora do poder de compra de um casal da classe médica e promete manter as medidas para arrefecer o preço das casas. Mais: o Chefe do Executivo pretende alargar a política de habitação para funcionários públicos e garante que vai já fazer um despacho para rever a lei do alojamento para trabalhadores da Administração. O subsídio de residência também pode subir.

 

“Os altos preços dos imóveis, que se mantém os altos, constituem uma grande preocupação - quer no subsídio de residência, quer na atribuição de alojamento aos trabalhadores públicos. Sabemos que, em 2012, houve um concurso de 160 apartamentos e, em 2016, mais 110. Segundo a nossa previsão, no próximo vamos atribuir estas 110 moradias”, promete Chui Sai On.

 

O último concurso de atribuição de moradias foi em Março. Mas abrangeu apenas aos quadros locais de nomeação definitiva.

 

Em Macau, há um “fenómeno absurdo”, que é este de haver “pessoas sem casas e casas sem pessoas”. A frase é do deputado Chan Meng Kam, que diz que a má qualidade das habitações públicas é uma das razões para haver apartamentos vazios.

 

Chui Sai On pede compreensão: “Na construção das fracções, a qualidade pode não ser tão má como imaginamos. Às vezes no mercado privado, também constamos essas situações. Esperamos que possa haver tolerância e compreensão e possam habitar as fracções o quanto antes”.

 

Vários deputados questionaram o Chefe do Executivo sobre os atrasos na construção de 28 mil casas sociais e económicas nas novas zonas urbanas. Chui Sai On frisou que ninguém poderia imaginar que a construção da ponte Hong Kong, Macau, Zhuhai iria atrasar a construção do aterro A. A zona, entre a Areia Preta e o Centro de Ciência, será um pólo de habitação pública. Assim que volte a haver areia. O fornecimento está suspenso suspenso desde 20 Março.