Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Ambiente: Em 2015 respirou-se pior em Coloane e na Taipa
Segunda, 18/04/2016

Mais gente, mais lixo, menos sol, dias mais quentes, dois meses de chuvas ácidas e mais dias com ar impróprio para respirar em Coloane e na Taipa. É a radiografia ao estado do ambiente em Macau em 2015, de acordo com os Serviços de Estatística e Censos.

 

No ano passado, a densidade populacional em Macau subiu para 21.100 pessoas por quilómetro quadrado no ano passado. Em um ano, a densidade populacional em Macau aumentou 600 pessoas.

 

O aumento da densidade populacional foi acompanhado de temperaturas mais altas. A temperatura média foi de 23,2ºC, ou seja, mais 0,5ºC em termos anuais. 2015 foi o ano que se registou a temperatura mais elevada desde 1952.

 

No ano passado, choveu menos e, por isso, houve menos dias de chuvas ácidas – ainda assim, foram 66 dias.

 

A qualidade do ar teve dias melhores, mas há mais poluição nas ilhas. Os Serviços de Estatística e Censos dizem apenas que houve mais dias de ar “insalubre”, mas não especificam quantos. Sabe-se, no entanto, que se respirou melhor na península. Na Rua do Campo, houve 221 dias em que o ar esteve bom. Ou seja, durante mais de um terço do ano, o ar foi de má qualidade. Mas já esteve pior. Em 2014, houve mais 34 dias em que o ar esteve “insalubre” do que em 2015.

 

Em termos de consumo, Macau gastou mais água: quase 85 milhões de metros cúbicos. O valor representou um aumento de 1,7 por cento, em relação a 2014.

 

No ano passado produziu-se mais lixo. Foram mais de 353 mil toneladas, entre resíduos domésticos – com um aumento de 4,6 por cento – e detritos industriais. 

 

Os dados hoje revelados indicam ainda que a Central de Incineração de Resíduos Sólidos tratou mais de 509 mil toneladas de resíduos sólidos, mais 11,3 por cento em termos anuais.