Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Wong Sio Chak promete colaborar com CCAC em investigações
Quarta, 13/04/2016

O secretário para a Segurança promete “colaborar activamente nas investigações” a envolver agentes das forças de segurança. Wong Sio Chak reagiu assim ao relatório de actividades do Comissariado contra a Corrupção (CCAC) de 2015, publicado esta manhã, e que foca três diferentes casos de investigação a agentes.

 

Em comunicado, divulgado ao final da tarde, o líder da pasta da Segurança assegura “dedicar grande atenção” ao relatório e “aceitar as sugestões” do CCAC para o “melhoramento” dos respectivos serviços no sentido de se criar uma equipa policial “integra e eficiente”.  

 

O relatório do CCAC faz referência a um caso de corrupção passiva por parte de um chefe da prisão e de um guarda prisional, suspeitos de terem recebido subornos de um recluso em troca de tratamento privilegiado. Também é referida uma investigação a um agente da PSP que terá fabricado prova. Depois de ter enviado para destruição uma arma que seria usada em julgamento terá tentado encobrir o erro com a substituição por uma arma nova. O comissariado também inclui no relatório o caso de alegada corrupção nos Serviços de Alfândega, por causa de um inspector suspeito de ter facilitado a saída de um jogador pela fronteira que transportava mais dinheiro do que o permitido.

 

No comunicado, o secretário para a Segurança realça também que os três serviços relativamente aos quais há agentes envolvidos já instauraram processos disciplinares para apuparem responsabilidades. Wong Sio Chak garante ter ordenado “investigações rigorosas” para assegurar que “quaisquer actos violadores da lei e do dever vão ter uma resposta adequada”. Caso se confirmem irregularidades, os agentes “jamais deixarão de ser punidos”.

 

O secretário também deu indicações aos serviços da tutela para reverem de novo os actuais procedimentos de execução de lei e os mecanismos de fiscalização, no sentido de “colmatarem eventuais lacunas e prevenirem a repetição” de casos deste género.