Em destaque

25 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,0449 patacas e 1,1156 dólares norte-americanos.

 

Protesto dos taxistas com pouca adesão e muitos polícias
Segunda, 11/04/2016

Chegou, falou aos jornalistas e deu meia volta.  Chan Ka Seng, porta-voz dos taxistas em protesto contra as alterações ao regulamento dos táxis, esqueceu-se de trazer a petição com as reivindicações do grupo e teve de voltar atrás. Apesar de ter chegado de mãos vazias, foi o único que conseguiu aproximar-se da sede da Direcção dos Serviços dos Assuntos de Tráfego (DSAT). Mas chegou a pé. O Corpo de Polícia de Segurança Pública (CPSP) cortou a estrada e os cerca de 20 táxis que formavam a manifestação foram obrigados a fazer a curva da Melco e ficaram a dar voltas ao quarteirão.

 

Apesar da pouca adesão ao protesto, o CPSP esteve em peso. Os táxis foram escoltados pela polícia durante o percurso da manifestação, que começou nas Portas do Cerco e durou cerca de 15 minutos. Apenas um taxista, o porta-voz do grupo, foi autorizado a estacionar e a aproximar-se da sede da DSAT.

 

Chan Ka Seng falou à comunicação social sob o olhar da polícia. O CPSP destacou agentes à paisana que filmaram a entrevista, tiraram fotografias dos jornalistas e seguiram todos os movimentos do taxista.

 

Na chegada à curva da Melco, a polícia mandou também parar uma bicicleta. Era conduzida por um homem, que se juntou ao protesto apesar de nem ter carta de condução. O manifestante é dono de um táxi e diz que se arrisca a perder a licença se a proposta do Governo avançar, já que, com as novas regras, os proprietários dos veículos serão também penalizados caso os taxistas desafiem a lei.

 

Esta é uma das mudanças mais contestadas pela Associação dos Direitos dos Taxistas, que convocou o protesto à revelia das principais organizações do sector.

 

A associação foi criada em Fevereiro do ano passado, quando o Governo estava já a a discutir as alterações ao Regulamento do Transporte de Passageiros em Automóveis Ligeiros de Aluguer ou Táxis.

 

Além da questão das licenças, os taxistas estão também contra o recurso a agentes à paisana e o aumento das multas. A DSAT diz que só vai reagir ao protesto depois de ler a petição as manifestantes.