Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Quarta-feira)
Quarta, 06/04/2016

Os documentos do Panamá estão em destaque na imprensa local, sabendo-se agora que 25 empresas de Macau estão referenciadas. A visão do secretário para a Economia e Finanças para a indústria do jogo é outro tema em foco nos diários do território. Em Hong Kong, as manchetes são feitas com temas diversos, incluindo o novo fôlego das relações entre a China e o Myanmar.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun que destaca as declarações do secretário para a Economia e Finanças sobre a indústria do jogo. Lionel Leong disse que a queda de 13 por cento nas receitas, no primeiro trimestre, estava dentro das expectativas e mostrou-se ainda confiante na recuperação do sector no futuro.

 

O Va Kio escreve que dois homens alegam terem sido lesados, em 270 mil patacas, por uma mulher através da aplicação móvel Wechat. A polícia aceitou o caso e está a investigar, mas a mulher rejeita as acusações. A suspeita diz que é a relações públicas de um estabelecimento de bebidas e o seu trabalho passa por angariar clientes.

 

Ou Mun Tin Toi

 

O canal chinês de rádio da TDM escreve, esta manhã, que a Administração reverteu três terrenos, localizados na Taipa, na Ilha Verde e no Porto Exterior.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

O Hoje Macau escreve “força na língua”, a propósito do plano de financiamento para reforçar o apoio ao ensino e divulgação da Língua Portuguesa, que já tem orçamento definido e deverá ser posto em prática ainda este ano. Académicos aplaudem a medida, apesar das dúvidas sobre a sua aplicação. Em grande plano está ainda o realizador Thomas Lim: “luzes, iphone, acção!”.

 

Na manchete do Jornal Tribuna de Macau lê-se “25 empresas de Macau referenciadas no caso ‘Panama Papers’”. No caso de Macau, os documentos fazem ainda menção a 22 beneficiários e 233 accionistas cujos nomes apenas deverão ser conhecidos em Maio. Em destaque fotográfico, a Universidade de São José que “reforça bilinguismo” através de uma licenciatura em Estudos Portugueses e Chineses (Língua e Cultura).

 

“Sol encoberto” escreve o Ponto Final por causa da notícia a envolver o mais influente junket do território. Alvin Chau, patrão do grupo Sun City,  foi implicado pelo advogado de uma operadora de jogo das Filipinas no processo de lavagem dos 81 milhões de dólares roubados por piratas informáticos chineses de uma conta do Banco Central do Bangladesh. Este jornal realça ainda que vinte e cinco empresas e entidades de Macau estão referenciadas nos chamados "Panamá Papers".

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

“Pegada informática leva Documentos do Panamá até à China”, é assim que o Business Daily se refere ao caso de corrupção e evasão fiscal. E acrescenta que “Macau e a China não saem ilesos”, por causa de Franco Dragone e o cunhado de Xi Jinping. O jornal financeiro publica ainda a declaração do secretário Lionel Leong de que “estabilizar é a prioridade”.

 

O Macau Daily Times coloca em grande plano a notícia dos documentos do Panamá, com a manchete “o mundo em papéis, a maior fuga de informação de sempre”. Numa das chamadas de primeira lê-se “tribunal ouve caso de difamação” a envolver o magnata Sheldon Adelson.

 

“Governo pede a académicos locais para regressarem a casa em sabáticas”, é  manchete do Macau Post Daily, sobre o plano do Governo para atrair a Macau talentos que vivem no estrangeiro. Em foco neste diário está ainda a demissão do primeiro-ministro da Islândia por causa dos Documentos do Panamá.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O China Daily titula “relações entre a China e o Myanmar com novo ponto de partida”. A fotografia mostra o cumprimento entre o ministro dos Negócios Estrangeiros da China e a homóloga Aung San Suu Kyi, também líder do partido Liga Nacional para a Democracia.

 

A manchete do South China Morning Post diz que “novo dono da Alibaba remove acesso pago” para este jornal. Destaque nesta edição ainda para o quadro de Zhang Daqian, Peach Blossom Spring, que foi vendido por uma soma recorde de 271 milhões de dólares de Hong Kong.

 

O Standard vira atenções para as casas subsidiadas em Hong Kong. O jornal diz que as vendas fracassaram no complexo Denovo. Apenas 19 das 68 unidades conseguiram compradores durante o primeiro dia de vendas.