Em destaque

25 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,0449 patacas e 1,1156 dólares norte-americanos.

 

TNR com crescimento anual de 5,4 por cento em Janeiro
Sexta, 26/02/2016

Macau contava, no final de Janeiro, com 181.415 trabalhadores contratados ao exterior, número que traduz uma redução ligeira face a Dezembro, mas um aumento de 5,4 por cento em termos anuais, indicam dados oficiais hoje divulgados.

 

De acordo com dados da Polícia de Segurança Pública, disponíveis no portal do Gabinete para os Recursos Humanos, a mão-de-obra importada sofreu em Janeiro uma ligeira queda em termos mensais – menos 231 trabalhadores –, a segunda diminuição mensal consecutiva.

 

No entanto, em comparação com Janeiro de 2015, o  número de trabalhadores não residentes aumentou em 9353, ou seja, 5,4 por cento.

 

Entre Janeiro do ano passado e o último mês, uma média de 25 novos trabalhadores não residentes chegaram por dia a Macau.

 

Segundo os dados agora divulgados, o universo de mão-de-obra importada equivalia a 45,5 por cento da população activa e a 46,4 por cento da população empregada, estimadas entre Novembro de 2015 e Janeiro deste ano.

 

O interior da China continua a ser a principal fonte de trabalhadores recrutados ao exterior, com 115.688, o que representa 64 por cento do total.

 

O segundo lugar continua também a ser ocupado pelas Filipinas, com 24.935 trabalhadores, e no terceiro mantém-se o Vietname, com 14.898.

 

Os hotéis e restaurantes absorvem a maior parte da mão-de-obra importada, 48.283, seguidos do sector da construção que emprega 42.755.

 

Os trabalhadores não residentes, portadores do chamado ‘blue card’, apenas podem permanecer em Macau enquanto estiver válido o seu contrato de trabalho, não possuindo direito de residência.

 

Apesar de perfazerem mais de um quarto da população de Macau (28 por cento dos 646.800 habitantes estimados no final de 2015), os trabalhadores não residentes não contam, por exemplo, com um mandatário formal de uma associação de imigrantes no seio da Concertação Social. A ala laboral tem assento, mas a situação dos trabalhadores não residentes difere da dos locais, sendo regulada, inclusive, por uma lei específica.