Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Terça-feira)
Terça, 23/02/2016

O secretário para a Segurança, Wong Sio Chak, está em quase todas as primeiras páginas dos jornais locais por causa do balanço da criminalidade e das declarações sobre a entrega de um fugitivo de Hong Kong à China. Na região vizinha, os jornais destacam notícias ainda sobre consequências do motim de Mong Kok.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

A manchete do jornal Ou Mun é feita com o balanço da criminalidade, lê-se “Wong Sio Chak diz que actividades ilegais dos taxistas duplicaram no ano passado”. Sobre isto, o jornal realça ainda que a recusa de transporte de passageiros e a cobrança de tarifas mais caras representaram 60 por cento do total de ilegalidades praticadas pelos taxistas.

 

O Va Kio também faz manchete com o secretário para a Segurança, mas destaca antes os crimes relacionados com o jogo que “continuaram a subir” durante o ano passado.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A Ou Mun Tin Toi foca, esta manhã, a tomada de posse do novo director-geral dos Serviços de Alfândega e diz que o Chefe do Executivo tem confiança que Alex Vong pode desempenhar bem as novas funções.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

O Hoje Macau titula “chumbo à Pequim” - apesar das crescentes dificuldades da Universidade de São José face à redução de estudantes locais, Pequim continua sem autorizar o recrutamento de alunos do interior da China. Em grande plano está a extradição “as voltas do oculto”, refere uma chamada de primeira.

 

“RAEM tem tarifas móveis mais acessíveis do mundo” diz o Jornal Tribuna de Macau, citando um estudo da União Internacional de Telecomunicações. O destaque fotográfico do JTM é feito com o Festival das Lanternas, “uma tradição com futuro”, que juntou centenas no Albergue.

 

A manchete do Ponto Final diz “tudo como manda a lei”. O caso não é recente e até já era conhecido, mas o secretário para a Segurança voltou a reiterar que não houve “qualquer acção oculta” na entrega de um residente de Hong Kong às autoridades chinesas em 2008. Ainda em foco, o caso do Hotel Lisboa - o Ministério Público protestou contra a tentativa do tribunal de obter informações sobre um ex-gerente de serviço, denunciado por proxenetismo durante o julgamento e peça-chave da acusação.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily coloca em grande plano a previsão do Governo de que as receitas do jogo vão ser “razoáveis” – uma declaração do secretário para a Economia, Lionel Leong. Noutro título do jornal económico lê-se “números da criminalidade em baixa”. O secretário para Segurança revelou que o número de crimes, em 2015, caiu em geral 2,6 por cento.

 

“Criminalidade ligada ao jogo subiu 38 por cento em 2015” titula o Macau Post Daily. O matutino destaca ainda das palavras de Wong Sio Chak que “não hove transferência de fugitivos para a China depois de 2008”.

 

O Macau Daily Times titula que “centros de dados em Zhuhai podem violar a lei da Protecção de Dados Pessoais”. Este diário publica uma fotografia do secretário para a Segurança: “crimes relacionados com o jogo sobem 38 por cento em 2015”.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

"Visita aos Estados Unidos para tratar de assuntos sensíveis" é a manchete do China Daily, a propósito do encontro desta semana entre o ministro chinês dos negócios estrangeiros e o secretário de Estado norte-americano. O jornal oficial chinês vira ainda atenções para a Síria: "bombas matam mais de 150".

 

O South China Morning Post escreve "caça a 100 por papel activo no motim" - mais um desenvolvimento por causa dos confrontos em Mong Kok. Noutra notícia de primeira, este diário diz que “aumentou a venda de armas por parte da China”.

 

O Standard titula "Macau ganha na sequência do motim que assustou turistas". O chefe do turismo de Hong Kong disse aos deputados que os confrontos levaram os visitantes da China a abandonar a cidade durante os feriados do Ano Novo Chinês.