Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

TDM aguarda autorização para transmissões na China
Quarta, 03/02/2016

A TDM ainda não obteve resposta das autoridades do Governo Central ao pedido de que o sinal da emissora pública de Macau pudesse chegar ao interior da China, afirmou na Assembleia Legislativa Manuel Pires, presidente da comissão executiva da estação.

 

No hemiciclo para responder a uma interpelação oral do deputado Mak Soi Kun, Pires explicou que foi ainda em Março de 2014 que “a TDM endereçou às competentes autoridades do Governo Central” um pedido, mas ainda aguarda pela resposta.

 

Nas questões colocadas ao presidente da comissão executiva da emissora pública, Mak Soi Kun disse que quer mais canais de televisão disponíveis na Sociedade dos Canais de Televisão Básicos de Macau S.A., empresa cuja gestão, disse Pires, a TDM vai assumir “em meados deste ano”.

 

De acordo com o deputado, são necessários mais canais da CCTV, a estação oficial chinesa, para “reforçar o amor à pátria”. Por outro lado, Mak Soi Kun também defende que a TDM esteja disponível no mercado chinês, para ajudar na promoção de Macau e para levar informações sobre o território.

 

O deputado entende que em Macau só se tem acesso a um número limitado de canais da CCTV, o que é “insuficiente para satisfazer as necessidades dos cidadãos”.

 

Em 2014 foi criada a sociedade Canais de Televisão Básicos de Macau, S.A., tendo como accionistas o Governo (70 por cento), a Teledifusão de Macau (TDM, 25 por cento) e a Direcção dos Serviços de Correios (5 por cento), e com a duração transitória de dois anos, período durante o qual será estudada a viabilidade da entrega dos trabalhos à TDM.

 

Neste âmbito, também em Março de 2014 foi criado o pacote Canais Básicos, que actualmente oferece 47 canais, sendo 37 em sinal analógico e 10 em sistema digital e ainda nove canais de rádio, de acordo com Manuel Pires. Do total desses 47, 13 são de Macau, 12 de Hong Kong, 17 da China, quatro de Taiwan e um de Portugal.

 

Ainda segundo Manuel Pires, “desde a sua criação e para que o sinal chegue em condições tecnicamente aceitáveis aos agregados habitacionais, têm sido realizadas pela Sociedade obras de instalação de cabos subterrâneos e retirada dos cabos aéreos.”

 

O presidente da comissão executiva da TDM explicou que “até Dezembro passado foram concluídos os trabalhos de ligação a um total de 33115 unidades habitacionais, o que representa um taxa de cobertura de cerca de 15,3 por cento”, havendo a previsão de que os trabalhos de cobertura integral “possam estar concluídos até finais de 2017”.

 

Quanto à introdução de mais canais, “tal intenção existirá sempre”, mas Pires ressalvou que “tais planos têm a ver, por um lado, com a necessidade da sociedade e, por outro, também com o uso eficaz do erário público, através duma ponderação cuidada de todos os factores e de condicionantes externas”, nomeadamente as negociações comerciais e os valores dos direitos autorais.