Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (segunda-feira)
Segunda, 28/12/2015

A detenção de suspeitos de tráfico de droga e as recomendações do Comissariado contra a Corrupção acerca da declaração de caducidade de três terrenos são temas em destaque nos jornais locais. Quanto à imprensa de Hong Kong, olha com atenção para a nova legislação de combate ao terrorismo aprovada na China Continental.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun publica uma grande fotografia da detenção de um suspeito de tráfico de droga, a sair do prédio onde se encontrava acompanhado pela polícia. Noutra imagem, os estupefacientes apreendidos no local – as autoridades falam em mais de nove quilogramas de cocaína.

 

O Va Kio traz o mesmo tema na manchete, acrescentando que, além de um suspeito de nacionalidade turca, foram também detidas mais duas pessoas oriundas de Hong Kong.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A Ou Mun Tin Toi tem estado esta manhã a dar conta dos novos limites fixados para a atribuição de habitação social a agregados familiares em situação económica desfavorecida, publicados hoje em Boletim Oficial.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

O Jornal Tribuna de Macau escreve na manchete que “mais três terrenos [foram] colocados na berlinda”. Nos processos que levaram à não-declaração de caducidade de 16 terrenos, o Comissariado contra a Corrupção não detectou violações à lei por parte do Governo, mas chamou a atenção para três lotes, em que a concessão provisória de 25 anos expirou sem que o seu aproveitamento tivesse sido concluído. A fotografia do jornal remete para a “indignação em Seac Pai Van” por causa do aumento das tarifas de gestão no edifício Koi Nga, composto por fracções económicas.

 

“Humilhados e esquecidos”, lê-se no Hoje Macau. Avança o jornal que descendentes asiáticos de portugueses estão desiludidos com a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e decidiram avançar com iniciativas próprias, fora do âmbito de uma organização que os “esqueceu”. O destaque fotográfico do matutino remete para as escravas sexuais da Segunda Guerra Mundial: “Coreia e Japão falam de reparações”.

 

Quanto ao Ponto Final, elege para tema principal a edição do número único da revista Orphão com que o editor Carlos Morais José celebra os cem anos da geração de Orpheu. A revista-manifesto pretende fazer a apologia da escrita pela escrita e da arte pela arte, destaca o jornal. Noutro título lê-se “Terrorismo – China aprova legislação controversa”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily conta que o “Comissariado contra a Corrupção critica a inacção do Governo” – em causa está a falha do Executivo em declarar a caducidade da concessão em alguns terrenos. O destaque fotográfico do jornal económico mostra polícias de Macau a pegarem em sacos com droga apreendida no território.

 

Quanto ao Macau Daily Times, escreve na manchete que foram “apreendidos 9,3 quilogramas de cocaína numa grande operação policial”. No rodapé, o título é feito com as palavras do presidente da China: “Xi Jinping diz que economia local é resistente a mudanças”.

 

A manchete do Macau Post Daily é semelhante: “Polícia apreende 9,3 quilogramas de cocaína, com um valor de 25 milhões de patacas”. O jornal acrescenta que foram detidos dois suspeitos de Hong Kong e um da Turquia. Ainda referência na primeira página para o mau tempo que fustiga os Estados Unidos: “Tornados no Texas matam 11 pessoas”.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

Em foco no China Daily estão as novas leis aprovadas ontem pelo Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional acerca do terrorismo, do planeamento familiar e da violência doméstica. O jornal oficial destaca que os diplomas criam condições para uma sociedade mais segura. Noutro texto da capa, a investigação que está a ser feita ao presidente da China Telecom – Chang Xiaobing é suspeito de corrupção.

 

Os mesmos dois temas estão em grande plano no South China Morning Post, que escolhe para manchete a aprovação da lei de combate ao terrorismo na China. Nota também para o discurso do secretário para as Finanças acerca do sentimento de orgulho dos residentes de Hong Kong: a contrastar com as palavras do Chefe do Executivo, John Tsang defende que pode ser uma força positiva.

 

Por último, o Standard, que tem como notícia principal da edição de hoje o facto de uma escola com sede no Dubai ter escolhido Hong Kong como porta para a Ásia – a cidade vizinha ganhou à concorrência de Singapura, Pequim e Xangai.