Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

EPM rejeita ideia de quebra na qualidade do ensino
Sábado, 12/12/2015

A Escola Portuguesa de Macau (EPM) recusa linearmente a ideia de que o facto da instituição ter caído no ranking que compara as notas dos exames nacionais possa indiciar uma quebra na qualidade do ensino providenciado pela escola. Em declarações à Rádio Macau, a vice-presidente Zélia Mieiro defende a capacidade dos professores da EPM que “são os mesmos que tiveram sempre bons resultados e vão continuar a ter”.

 

“Para nós, muito mais importante que estar nessa posição do ranking é o facto de, quando os nossos alunos acabam o 12º ano e vão para escolas do mundo inteiro, verificarmos que eles são sempre elogiados quando vão para o estrangeiro. O mais importante é que eles estejam bem preparados para enfrentar a vida e eles estão”, diz Zélia Mieiro.

 

A vice-presidente da EPM lembra ainda que a instituição não tem o espírito de concorrência, a não ser com ela própria no sentido de “desenvolver o máximo de competências para que os alunos consigam ter sucesso na vida”.

 

Nestas declarações à Rádio Macau, Zélia Mieiro destaca ainda o aumento no número de alunos de língua materna não portuguesa que a escola tem recebido desde a introdução do ano preparatório, algo que, apesar de orgulhar a EPM, “pode levar a que algumas pessoas possam considerar que o ensino não seja tão excelente como costuma ser, embora para nós continue a ser muito boa”.

 

A Escola Portuguesa de Macau (EPM) deu um trambolhão no ranking que compara as médias dos exames nacionais do 12º ano do ensino português. A lista, elaborada pelo semanário Expresso e pela estação de televisão SIC, com base em dados do Ministério da Educação, junta mais de 500 escolas. De um ano para o outro, a EPM caiu 175 posições: do 62º lugar para o 237º.

 

Macau perdeu também o estatuto de escola mais bem classificada entre as instituições portuguesas de ensino no exterior: A EPM desceu para o segundo lugar, sendo ultrapassada pela Escola Portuguesa de Moçambique que, este ano, registou uma subida assinalável para o 184º lugar.