Em destaque

18 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20602 patacas e 1.1314 dólares norte-americanos.

Interesse português na China tem aumentado, diz Mariana Oom
Quinta, 20/10/2011
A Feira Internacional de Macau (MIF) arrancou esta manhã e conta com mais de 1650 stands. Portugal está também representado com várias empresas, ainda assim menos que em anos anteriores. Mas tal não revela um interesse menor segundo Mariana Oom. A delegada do Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) diz que “Portugal continua vivo em Macau” e a participação na MIF também depende da “disponibilidade das próprias empresas”.

Mariana Oom considera que a participação de Portugal na MIF também pode estar a ser influenciada pela actual crise, o que no entanto não se reflecte em termos de interesse nos mercados de Macau ou da China. “Fora a MIF tem aumentado o número de empresas portuguesas que têm vindo visitar Macau e a China, às vezes fazendo o triângulo ou o quadrado Hong Kong, Macau, Pequim e Shangai. Notamos uma afluência cada vez maior e um interesse maior. A China e Macau não estão esquecidos para os portugueses”, afirma a responsável.

A confirmar esse interesse, justifica Mariana Oom, está o aumento das exportações que “têm estado a crescer a um ritmo de 40 por cento”.

Francisco Sendas, da Associação Empresarial de Portugal que coordena a presença portuguesa na MIF, reconhece que o mercado local está um pouco saturado. “No entanto nós como Câmara de Comércio, mesmo com a AICEP, queremos melhorar a comunicação. Queremos acrescentar a presença de mais empresas”,acrescenta. Para Francisco Sendas a MIF é um evento importante porque, entende, “Macau continua a ser uma porta importante na entrada de produtos, sobretudo para a China, o mercado que toda a gente fala neste momento”.

Portugal está representado apenas no sector agro-alimentar e Francisco Sendas reconhece que dada a importância do mercado chinês há outros sectores que importa explorar. “Há um outro tipo de sectores que neste momento crescem em Portugal e que têm de começar também a olhar para Macau, como uma porta de entrada para a China”, afirma Francisco Sendas.