Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Recrutamento: Alexis Tam garante apoio ao sector privado
Quinta, 03/12/2015

Alexis Tam refutou hoje a acusação de que os Serviços de Saúde estejam a prejudicar, através do recrutamento, as entidades privadas de prestação de cuidados médicos e aproveitou para elogiar a equipa que tem.

 

“Tenho uma excelente equipa, que trabalha muito bem. Sem ela não poderíamos ter alcançado este progresso tão grande. Pensámos muito para vermos como é que fazemos melhor e até tivemos uma elevada consideração em relação ao sistema privado, por exemplo o Hospital Kiang Wu e as clínicas do sector privado”, afirmou o secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, no debate sectorial das Linhas de Acção Governativa.

 

O governante sublinhou que o Governo ajuda ainda as instituições sem fins lucrativos que prestam cuidados de saúde mas, para que os planos que tem para a tutela se concretizem, são necessários mais médicos e enfermeiros, pelo que aqueles que estiverem no sector privado são bem-vindos no público.

 

O secretário pediu ainda compreensão aos deputados para que entendam que não é possível recrutar pessoal desta área só em Macau – daí as conversações que tem mantido com as autoridades das regiões vizinhas e também com Portugal.

 

A questão do recrutamento pelos Serviços de Saúde foi abordada por alguns deputados. A maioria dos tribunos que usou da palavra para falar desta área pediu melhorias no sector, mas houve quem tivesse feito um discurso de teor diferente: Tsui Wai Kwan.

 

“Acho que hoje em dia [o serviço público de saúde] já está melhor. Mas há quem possa dizer que aqui existe conflito de interesses porque, quando os Serviços de Saúde públicos se desenvolvem melhor, se calhar causam concorrência à prestação dos cuidados de saúde do sector privado, que vai sentir então um grande desafio ou ameaça”, declarou o deputado nomeado pelo Chefe do Executivo. “Compreendo um pouco do funcionamento do Hospital Kiang Wu e sei que nesse hospital também há grande saída de médicos. Antes havia sempre diálogo entre os dois hospitais para tentarem manter um equilíbrio. Só que, em 2015, saíram mais de 240 trabalhadores da área da saúde do Kiang Wu.”

 

A saúde foi, sem surpresa, um dos temas fortes do debate de hoje, em que se falou também sobre educação, apoio a portadores de deficiências e as iniciativas do Governo para os idosos.