Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Crimes relacionados com o jogo aumentaram 34% até Setembro
Quarta, 02/12/2015

Os crimes relacionados com o jogo registaram um aumento de 34 por cento nos primeiros nove meses do ano em comparação com o mesmo período de 2014, de acordo com os dados oficiais hoje divulgados.

 

No balanço da criminalidade nos primeiros três trimestres houve, no geral, uma descida homóloga de 2,2 por cento, com o registo de 10.347 inquéritos criminais.

 

Ainda assim, aumentaram de forma significativa os crimes relacionados com o jogo.

 

Apesar deste aumento para um total de 1118 casos relacionados com a principal indústria de Macau, o secretário para a Segurança afirmou que, “até ao momento, o ajustamento no sector do jogo ainda não trouxe quaisquer consequências para a situação da segurança de Macau”.

 

Entre os crimes relacionados com o jogo, os sequestros tiveram um aumento anual de 135 por cento (308 casos) e de os crimes de agiotagem terem subido 36 por cento (240 casos).

 

O que leva o secretário a defender que não está em causa a segurança dos residentes de Macau é que “a maioria dos ofendidos e dos suspeitos” não é local.

 

Do mesmo modo, “a maioria dos casos (mais de 70 por cento) aconteceu dentro dos casinos”.

 

No mesmo sentido, no balanço agora feito “há uma tendência de descida da criminalidade grave e violenta”, tendo-se registado, ainda assim, um homicídio, quando, no mesmo período do ano passado, não houve qualquer assassinato.

 

Wong Sio Chak afirmou ainda que “a polícia não recebeu informações sobre qualquer anormalidade no comportamento das seitas devido ao ajustamento do jogo”.

 

Por outro lado, também o caso da operadora de “junkets” Dore, sob investigação devido a uma alegada fraude de centenas de milhões, não tem “nexo de causalidade directa e necessária” com a actual conjuntura do jogo.

 

Ainda assim, o secretário prometeu que as autoridades vão “continuar a prestar grande atenção às eventuais consequências negativas” devido à queda das receitas.

 

Na generalidade da criminalidade, entre as quedas mais significativas estão as dos crimes relacionados com a droga: o consumo caiu 47 por cento e o tráfico desceu 27 por cento.

 

Em sentido contrário, aumentaram as infracções relacionadas com os táxis: 4050 casos nos primeiros nove meses do ano. Ao longo de 2014 houve 1666.

 

Nesta conferência de imprensa, Wong Sio Chak falou, ainda, sobre o futuro posto fronteiriço a construir no Canal dos Patos, explicando que os portadores de salvo-conduto para a China poderão apresentar apenas esse documento para sair do território, tendo, no regresso, necessidade de mostrar somente o bilhete de identidade de residente de Macau.