Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Mais 12 por cento de participantes esperados na MIF
Terça, 18/10/2011
A Feira Internacional de Macau (MIF) vai contar com mais de 1650 stands de Macau, do Interior da China e do estrangeiro, o que traduz um aumento de 18 por cento em relação à edição do ano passado. Também a subir, 12 por cento, está o número de participantes: a organização espera 3.700 pessoas de 350 delegações, vindas de mais de 60 países e regiões.

No grupo das estreias estão o Nepal e o Quénia. Já a Índia, o Paquistão, o Vietname e o Peru vão apostar pela primeira vez em zonas próprias de exposição. Na Zona de Exposição de Produtos e de Investimento, o destaque vai este ano para a Ilha da Montanha, para Nansha - na província de Guangdong - e ainda para a região autónoma de Ningxia.

Além da mostra de produtos e serviços, a feira volta a incluir vários seminários e palestras. Estão previstos 47 fóruns, entre eles o Fórum Internacional para o Comércio e Investimento e a 8ª Cimeira Mundial dos Empresários Chineses.

Em conferência de imprensa, a organização revelou ter recebido, até esta terça-feira, mais de 2.200 novos projectos, de vários pontos do mundo, à procura de parceiros. Agendadas estão já mais de mil sessões de bolsas de contacto.

Entre os pavilhões da MIF está, uma vez mais, o Pavilhão dos Países de Língua Portuguesa, a cargo do Fórum Macau. O evento vai contar este ano com a presença de dois ministros da economia, Helena Embaló, da Guiné Bissau, e João Mendes Gonçalves, de Timor-Leste. A Macau vêm ainda 140 altos representantes, dirigentes de institutos de promoção e empresários – 22 deles de Portugal.

Em declarações aos jornalistas, à margem da conferência de imprensa, Rita Santos, secretária-geral adjunta do Fórum Macau, disse acreditar que que há muitos empresários chineses interessados em negociar com o mundo lusófono, através da RAEM, sobretudo “desde o anúncio pelo primeiro-ministro Wen Jiabao, no início deste ano, na Assembleia Nacional Popular, de que Macau deverá acelerar a concretização do papel de serviços entre a China e os países de língua portuguesa”.

Rita Santos espera ver, por outro lado, mais empresários dos países de língua portuguesa nesta 16ª edição da MIF, até porque o certame coincide com o curso de empreendedorismo, leccionado pelo Centro de Formação de Macau, destinado aos países lusófonos.

Quanto a eventuais parcerias que possam surgir, ainda é cedo para avançar números, mas Rita Santos mostra-se optimista. “Esperamos que durante a feria possa haver contactos directos e que possam ser concretizados alguns negócios. No ano passado, tivemos experiências e muitos deles estão a cruzar informações e, gradualmente, estão já a importar alguns produtos dos países de língua portuguesa para a China”, afirmou.

A MIF arranca esta quinta-feira, dia 19, e prolonga-se até domingo, no Centro de Convenções e Exposições do Venetian.