Em destaque

18 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20602 patacas e 1.1314 dólares norte-americanos.

Couto lamenta ausência da Nissan no Grande Prémio
Quinta, 12/11/2015

A primeira Taça do Mundo de GT, organizada com a chancela da Federação Internacional de Automobilismo na 62ª edição do Grande Prémio de Macau, conta com André Couto nas fileiras. A uma semana do arranque da prova, o novo campeão do Super GT300 japonês revela confiança, mas lamenta não poder estar ao volante do Nissan que pilotou durante a temporada.

 

Na prova da Guia, Couto está integrado na equipa da McLaren. “É lógico que não tenho as mesmas condições que tenho na minha equipa do Japão. Razão número? Não corro com a McLAren durante o ano, não conheço o carro e não sou piloto da marca. Sou piloto da Nissan e gostava de trazer a minha equipa a Macau. Este ano, a Nissan ganhou o campeonato europeu e o campeonato japonês de GT. Tem carros vencedores, mas não vai estar em Macau”, nota.

 

O piloto de Macau vai conduzir um McLaren 650s, com o apoio técnico da mesma equipa onde estão o português Álvaro Parente e o francês Kevin Estre. “Consegui dar umas voltas no circuito da Tailândia, a seguir à última corrida que a equipa da McLaren fez no campeonato GT Ásia. Andei cerca de duas horas no carro”, explica.

 

Parente e Estre são pilotos oficiais da McLaren. Já Couto correu no campeonato japonês de Super GT300, sagrando-se campeão antes do final da temporada, marcado para este fim-de-semana.

 

“Não sei o que pode acontecer. Ganhar um campeonato Super GT é algo extraordinário. Agora, vamos ver o que pode acontecer na próxima época. Esta equipa [Gainer Tainax] é muito boa. A minha pergunta é: para quê foi mudar se estou bem? Se ficar, é uma hipótese muito válida”, salienta o português.

 

O Grande Prémio de Macau arranca na próxima quinta-feira e prolonga-se até dia 22. O cartaz integra oito corridas.