Em destaque

18 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20602 patacas e 1.1314 dólares norte-americanos.

Geocapital quer banco de investimento para apoiar Fórum
Sábado, 07/11/2015

A Geocapital volta à carga com a sugestão de criar um banco de investimento para promover a cooperação económica com os países lusófonos. Jorge Ferro Ribeiro, presidente do conselho de administração da empresa, diz que Macau deve ter uma instituição financeira com uma “vocação clara” para esta área.

 

“Um banco que incorpore o conceito estratégico, político, económico e financeiro do Fórum [para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa] é indispensável. Para nós é uma prioridade”, afirma o investidor, em declarações ao programa Rádio Macau Entrevista, que vai para o ar, este sábado, ao meio-dia.

 

A ideia da Geocapital criar um banco de investimento em Macau não é nova. Em 2010, Jorge Ferro Ribeiro avançou essa hipótese. De acordo com o Business Daily, o plano tem sido parado pela Autoridade Monetária.

 

A empresa já tem participações em bancos africanos. No plano de Macau, o objectivo passa por incluir uma instituição chinesa como parceira no novo projecto.

 

“Na estrutura accionista desse banco, além da Geocapital, tem que haver uma instituição chinesa que partilhe o projecto estratégico da ligação de Macau aos países de língua portuguesa”, nota Jorge Ferro Ribeiro.

 

Sobre a ausência de São Tomé e Príncipe do Fórum, o investidor defende que é preciso fazer um “esforço muito grande” para integrar o país como membro de pleno direito. O arquipélago africano tem apenas estatuto de observador na estrutura multilateral porque continua a manter relações oficiais com Taiwan. Jorge Ferro Ribeiro argumenta ainda que a Guiné Equatorial deve integrar o grupo de nações, uma vez que já faz parte da Comunidade de Países de Língua Portuguesa.