Em destaque

18 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20602 patacas e 1.1314 dólares norte-americanos.

Elogios a Barroso na atribuição de título do IPM
Terça, 20/10/2015

O presidente do Instituto Politécnico de Macau (IPM) referiu-se a Durão Barroso como “um protagonista de um percurso cívico, político e académico deveras singular”. Lei Heong Iok lembrou que o antigo presidente da Comissão Europeia foi distinguido “nas mais variadas latitudes” e agora, foi a vez do IPM que confere a Durão Barroso o título de professor coordenador honorário.

 

“Entendamos bem o significado deste binómio: professor e honorário. Professor é o mais alto patamar da carreira no ensino superior; no caso do ensino superior politécnico, professor coordenador. Honorário, tenhamos presente, porque o patamar é atingido não apenas para honra e dignidade de quem recebe o título, mas em razão da sua honra e dignidade”, afirmou.

 

A Carlos André, do Centro Pedagógico e Científico de Língua Portuguesa do IPM, coube fazer o elogio a Durão Barroso. Ao longo de cinco páginas, revisitou-se o percurso do antigo governante português desde que se licenciou na Universidade de Lisboa até aos dias de hoje.

 

“Abraçou, de vontade, no tempo próprio e sempre que a vida lhe consentiu, a carreira académica, mas experimentou sempre, em cada etapa desse percurso, o drama da encruzilhada; porque essa sua opção foi, a cada passo, interceptada pelo apelo do serviço público, pela chamada à actividade cívica, pelo sentido de dever; levou-o, em cada momento, esse apelo a adiar a academia e a ceder ao convite para a participação na vida pública e à entrega à causa da sociedade que somos”, afirmou Carlos André.

 

Do lado do Governo da RAEM, o secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam, referiu-se a Durão Barroso como “alguém que foi, durante anos, um construtor de diálogos”.

 

“Como ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, foi obreiro de múltiplos consensos e actor determinante na solução de muitos conflitos, não apenas nos países de língua portuguesa mas também um pouco por todo o mundo. Como primeiro-ministro de Portugal e depois como presidente da Comissão Europeia, prosseguiu esse desígnio”, acrescentou Alexis Tam.