Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Grande Prémio: TRC vão permitir “grande Corrida da Guia”
Quarta, 07/10/2015

É já de 19 a 22 de Novembro que se realiza a 62ª edição do Grande Prémio de Macau (GPM). Este ano, a Guia acolhe um total 8 provas e 228 pilotos, entre eles 49 do território. O orçamento ronda os 200 milhões de patacas, o mesmo valor do ano passado.

 

Como habitual, a Formula 3 é a prova rainha. O vencedor do ano passado, Felix Rosenqvist, volta para tentar revalidar o título, algo que só Edoardo Mortara conseguiu fazer até aqui. Na F3, destaque ainda para Pietro Fitipaldi, neto da lenda  brasileira Emerson Fitipaldi, e para o piloto de Macau Andy Chan.

 

A grande novidade este ano passa pelos TCR, a alternativa encontrada ao WTTC para a Corrida da Guia. Os pesos pesados do Campeonato do Mundo de Turismo não vêm ao território, mas por cá vão estar nomes como Rob Huff e Alain Menu. Juntos, os dois, somam 10 triunfos em Macau. A participação local fica a cargo de Rodolfo Ávila e Ho Wai Kun.

 

Apesar de não terem, à partida, o mediatismo do WTTC, o Coordenador da Comissão do Grande Prémio, Costa Antunes, acredita que os TCR vão proporcionar uma “grande Corrida de Guia”.

 

“A Corrida da Guia que é tradicionalmente uma corrida de carros de turismo deu oportunidade para a série TCR internacional tenha aqui a sua final. Trata-se de um tipo de viaturas que é mais acessível para que os pilotos da zona asiática e de Macau possam evoluir para outros níveis. Pelos resultados que podemos verificar até agora vamos ter uma grande Corrida da Guia”, diz Costa Antunes.

 

Outra novidade este ano no GPM está relacionada com a Taça GT, que ganha dimensão mundial, com a chancela da Federação Internacional Automóvel. No território vão estar vão estar cinco fabricantes importantes: Austin Martin, Audi, Maclaren, Porsche e Mercedes. O italiano  Edoardo Mortara, vencedor por 6 vezes em Macau, é o cabeça de cartaz, numa prova que conta também com o piloto de Macau Andre Couto e o português Álvaro Parente.

 

Como sempre, na Guia há espaço para as duas rodas. A lista de entradas no Grande Prémio de Motas conta com os vencedores dos ultiimos anos: Michael Rutter, Stuart Easton, Ian Hutchison e John Mccguiness. De Portugal, viajam André Pires e Nuno Caetano.

 

De resto, do cartaz fazem parte as chamadas corridas de suporte. São quatro este ano. Taça CTM, Macau Road Sport Challange, Taça da Corrida Chinesa e ainda uma corrida de celebridades.

 

A edição 62 do GPM é a última com coordenação de Costa Antunes. Depois de mais de 25 na liderança, o engenheiro despede-se do evento desportivo mais importante do território.

 

“Tenho sempre presente que o melhor que temos na vida é a realidade presente. Temos de adquirir a experiência, temos de ter visão para o futuro, mas o que estamos a viver no presente é sempre o melhor. Portanto, estou muito satisfeito porque vemos que o Governo de Macau está a apoiar o Grande Prémio, temos uma nova geração de pessoal de Macau que está a assumir as suas responsabilidades e, portanto, acho que é altura para tudo. Saio com uma sensação de grande satisfação. As missões nunca considero que estejam cumpridas, há sempre possibilidade de se fazer melhor e é isso que estamos a fazer, trabalhar que a próximas edições do Grande Prémio sejam sempre as melhores de sempre”, explica Costa Antunes