Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Eleições/Portugal: Votos de Macau são “grande recorde”
Quarta, 07/10/2015

A uma semana de terminar o prazo de recepção dos boletins do estrangeiro, o Ministério da Administração Interna de Portugal adianta que chegaram a Lisboa 2390 boletins de voto de eleitores residentes na RAEM. Numa resposta escrita, enviada à Rádio Macau, o secretário-geral adjunto da Administração Eleitoral, Jorge Miguéis, explica ainda que se trata de um “grande recorde”, comparando com as anteriores eleições. Em 2011, a contagem final fixou-se em 613 votos de toda a China.

 

Uma vez que aos Correios de Macau chegaram cerca de oito mil cartas, os 2390 boletins que já estão em Portugal representam perto de 30 por cento do número total de eleitores elegíveis em Macau.

 

A recepção dos votos prolonga-se até à próxima quarta-feira, 14 Outubro. No entanto, o envio é considerado inválido desde segunda-feira – o dia que se seguiu à data das eleições legislativas.

 

A votação nos círculos do estrangeiro ficou marcada por alguns problemas. Primeiro, nos envelopes para enviar de volta os boletins, faltava “Portugal” como país de destino. Depois, foram sendo reportados atrasos na recepção das mesmas por parte dos eleitores.

 

O “Nós, Cidadãos” admitiu impugnar o acto eleitoral. O cabeça-de-lista pelo partido no círculo Fora da Europa, José Pereira Coutinho, já garantiu que está a reunir queixas.

 

Recorde-se que apesar do Consulado Geral de Portugal em Macau e Hong Kong contar 15.944 recenseados, mais de 7500 foram excluídos das listas finais do Ministério da Administração Interna de Portugal. A razão está relacionada com um artigo do regime jurídico do recenseamento eleitoral português de 1999, que obriga à limpeza dos registos quando os boletins dos eleitores no estrangeiro não são levantados, duas vezes consecutivas.