Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

DSPA “bastante atenta à poluição nas zonas costeiras”
Sexta, 07/10/2011
A Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental (DSPA) diz estar “bastante atenta à poluição nas zonas costeiras de Macau”. Em resposta às questões da Rádio Macau acerca do alerta recente lançado pela Academia de Ciências da China sobre o facto de o Rio das Pérolas estar gravemente poluído, também os Serviços de Saúde dizem que é efectuada, regularmente, uma monitorização das águas.

Actualmente, diz a DSPA, os serviços responsáveis pelos assuntos portuários assumem as tarefas relacionadas com a prevenção da poluição marinha e os serviços relacionados com a saúde efectuam a monitorização periódica das águas nas zonas costeiras de Macau.

Essa inspecção periódica foi confirmada, também em resposta à Rádio, pelos Serviços de Saúde, que informam “não haver um alto grau de contaminação nas zonas costeiras”. Os Serviços de Saúde acrescentam, contudo, que, nas amostras recolhidas, não são incluídas as zonas de cultura de mariscos. Quanto ao marisco que é consmido em Macau, os Serviços de Saúde lembram que a inspecção cabe ao Instituto para os Assuntos Cívicos e Muncipais.

De acordo com a Academia de Ciências da China, os mariscos são os produtos que apresentam os maiores níveis de concentração de chumbo. No caso das ostras, os níveis do metal pesado detectados são 640 vezes superiores aos padrões normais.

Para o futuro, a DSPA promete “continuar a estar em coordenação com as acções desenvolvidas pelos serviços relacionados com a saúde pública e a qualidade das águas e do ambiente”.