Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

WSJ: Funcionários da ONU investigados em caso de Ng Lap Seng
Terça, 06/10/2015

As autoridades federais dos Estados Unidos estão a investigar funcionários das Nações Unidas que terão sido subornados num esquema que envolve imobiliário em Macau e o empresário Ng Lap Seng, detido em Nova Iorque. A notícia é avançada na edição de hoje do Wall Street Journal (WSJ).

 

Não são revelados grandes detalhes sobre o esquema em que estarão envolvidos os funcionários das Nações Unidas, mas o jornal coloca a possibilidade de, nas próximas horas, ser deduzida a acusação em relação às várias pessoas que estão a ser investigadas pelas autoridades federais. Além de funcionários da ONU, estarão envolvidos indivíduos que já não estarão ao serviço da organização.

 

O WSJ refere apenas que a investigação surge na sequência da detenção de Ng Lap Seng e do assistente do empresário de Macau, e que do esquema farão parte subornos enviados para as Caraíbas.

 

Ng Lap Seng e Jeff Yin, assistente do empresário, foram detidos no mês passado em Nova Iorque, sendo que estão acusados de terem conspirado para fazerem entrar nos Estados Unidos 4,5 milhões de dólares utilizando falsos pretextos.

 

Além de empresário, Ng Lap Seng tem relevância política em Macau e na China, e é o presidente do Grupo Sun Kian Ip, com sede no território e com uma representação em Nova Iorque. O grupo dá o nome a uma fundação – o Wall Street Journal explica que, quer através desta fundação, quer a título individual, Ng Lap Seng trabalhou com um gabinete das Nações Unidas que está focado no desenvolvimento de parcerias políticas e económicas nos países em desenvolvimento do hemisfério sul. O site da fundação não permite perceber qual o trabalho concreto que a instituição tem feito.

 

O jornal destaca ainda que, pelo que é conhecido do processo judicial de Ng Lap Seng e de Jeff Yin, a investigação em torno dos dois arguidos faz parte de um caso muito mais complexo, resultante de anos de vigilância e análises a transacções financeiras. Uma nota na queixa contra o empresário de Macau indica que, desde 2010, Ng Lap Seng terá transferido mais de 19 milhões de dólares a pessoas e entidades nos Estados Unidos.

 

Entretanto, já esta semana, dois advogados do empresário de Macau afirmaram que o cliente “é inocente” e que “não cometeu qualquer crime”. Já a defensora de Jeff Yin, que não presta declarações à imprensa, tinha dito em tribunal que o cliente dela é apenas um empregado de Ng Lap Seng. Sabrina Shroff acredita que Jeff Yin não era o alvo principal das investigações porque, refere a advogada, as autoridades “têm claramente peixes maiores para apanhar”.