Em destaque

18 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20602 patacas e 1.1314 dólares norte-americanos.

Manifestações: Quase 500 nas ruas no Dia Nacional da China
Sábado, 01/10/2011
O 1 de Outubro foi marcado por cinco manifestações em Macau. De acordo com dados da polícia, os protestos – que decorreram de forma pacífica - mobilizaram cerca de 480 pessoas.

A Associação da União Familiar de Macau voltou às ruas, depois de há uma semana já ter organizado um protesto. Aproveitando a comemoração do Dia Nacional da China, cerca de 300 manifestantes saíram, pelas 15h, do Jardim Triangular. O destino era o Palácio do Governo mas antes foi feito um desvio até ao Gabinete do Governo Central, onde também entregaram uma petição. Pelo caminho, as palavras de ordem eram: “queremos os nossos filhos de volta”, “queremos voltar a ser uma família unida” e ainda “já chega de palavras, o Governo tem de começar a agir”.

Juntamente com a Associação da União Familiar saíram do Jardim triangular mais dois cidadãos, que costumam protestar no Largo do Senado. Mais atrás, vinham algumas dezenas de trabalhadores da construção civil, seguranças e empregados de limpeza, que se queixam de precariedade no emprego.

De acordo com o deputado Ng Kuok Cheong, que participava neste protesto, os trabalhadores exortam o Governo a combater de forma mais eficaz o trabalho ilegal e a reduzir ainda mais as quotas de contratação de trabalhadores não residentes, porque entendem que, apesar do desenvolvimento económico, continua a ser difícil conseguirem um emprego fixo.

“A maioria destes manifestantes trabalha actualmente, mas quase 99 por cento já passaram pela experiência de mudança e de só conseguir novo trabalho um ano depois”. Ng Kuok C heong disse ainda que os trabalhadores exigem também que o Governo distribua melhor a riqueza.

“Decidimos apoiá-los para que a sua voz tenha mais força. Concordamos que o Executivo tem de fazer mais, especialmente no combate ao trabalho ilegal”, explicou o deputado, referindo-se aos motivos pelos quais a Associação Novo Macau se juntou ao protesto.