Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

IPOR quer afirmar Macau como centro do Português na Ásia
Quinta, 10/09/2015

O Instituto Português do Oriente quer desempenhar um papel activo na afirmação de Macau como centro de promoção do português na Ásia. Esse é um dos objectivos na base do encontro que arrancou hoje no território e que junta os docentes de português como língua estrangeira em seis países da região.

 

De acordo com o director do Instituto Português do Oriente (IPOR), João Neves, para se afirmar o papel central de Macau é preciso primeiro definir uma estratégia de colaboração entre os vários docentes.

 

O compromisso já tinha sido traçado e, agora, o tempo é de encontrar formas de se concretizar a ideia de reforçar o papel de Macau como plataforma.

 

Segundo explicou à Rádio João Neves, “identificar algumas áreas de potencial colaboração é não só um importante desígnio que melhorará o trabalho de cada um e de todos em conjunto, mas também contribuiremos dessa forma para que Macau, como esse centro regional de promoção da língua portuguesa, seja do ponto de vista do ensino, mas seja também do ponto de vista da reflexão sobre como a língua portuguesa pode ser ensinada e aprendida na região Ásia-Pacífico, julgamos que também aí estaremos a dar um contributo importante para essa afirmação de Macau”.

 

De acordo com João Neves, esse posicionamento estratégico de Macau vai depender da capacidade de o IPOR voltar a assumir um papel na coordenação de projectos de promoção do Português.

 

Nesse sentido, continuou Neves, há que desenvolver o actual portal do IPOR na Internet: “Pensamos tê-lo pronto até ao final do ano e uma das componentes essenciais que queremos desenvolver nesse portal é a criação de uma ampla área de trabalho que poderá congregar estes professores, estes pontos de rede de Macau e destes seis países que estão presentes, onde poderá haver não só a partilha de ferramentas e materiais, mas também que essas áreas de trabalho possam no futuro ser abertas aos próprios aprendentes”.

 

A ideia é que quem aprende Português possa consultar o site do IPOR no futuro para aceder a áreas de trabalho onde encontrem, por exemplo, “materiais de auto-aprendizagem e verificação de competências”.

 

Actualmente, disse à Rádio Macau João Neves, o portal do IPOR na Internet é visitado “em mais de 80 países”.

 

“Temos crescido muito”, diz o director do IPOR, que se mostra consciente do risco de não se dar esse salto tecnológico: “Sabemos que, especialmente nesta região do Mundo, ou deslocamos para as áreas tecnológicas o acesso a conteúdos de aprendizagem e reforço das competências, ou, se continuamos nas estruturas tradicionais de oferecer esses conteúdos, somos confrontados com outras línguas muito mais competitivas”.

 

Entre hoje e sábado realiza-se nas instalações do Consulado Geral de Portugal em Macau o Encontro de Pontos de Rede de Ensino de Português Língua Estrangeira na Ásia, com a participação de docentes radicados em Goa, Pequim, Xangai, Seul, Banguecoque, Hanói e Jacarta.