Quinta, 17/04/2014

De acordo com dados oficiais relativos a 2012-2013, a despesa mensal de consumo dos agregados familiares totalizou 5.280 milhões de patacas. Trata-se de um aumento real de quase 38 por cento, em relação a 2007-2008.

 

A Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC) indica ainda que a despesa média mensal por agregado familiar foi de 29.177 patacas. Mais de metade dos gastos estiveram relacionadas com alimentos, bebidas não alcoólicas, habitação e combustíveis.

 

Se as despesas aumentaram, o mesmo aconteceu com as receitas. No inquérito da DSEC lê-se que o “sólido aumento” ficou a dever-se ao “crescimento económico do território”.

 

Em 2012-2013, a receita mensal das famílias cifrou-se em 7.500 milhões de patacas. Ou seja, um aumento real de 45 por cento, comparando com 2007-2008. Já a receita média mensal por agregado atingiu as 41.423 patacas.

 

No período em questão, a DSEC informa também que passou a haver mais cerca de 13.890 agregados familiares.

Quinta, 17/04/2014

O director do Gabinete de Comunicação Social (GCS) do Governo garante que os trabalhos sobre a revisão da Lei de Imprensa vão estar concluídos no primeiro semestre do ano. No entanto, Victor Chan não sabe quando é que o diploma vai chegar ao Conselho Executivo e à Assembleia Legislativa.

 

“Vamos encaminhar [o diploma] para os Serviços de Assuntos de Justiça e, nessa fase, podemos dizer que o trabalho do GCS fica feito. Depois, entra no processo legislativo. Quando é que vai seguir para o Conselho Executivo e para a Assembleia Legislativa? Isso não vai ser decidido por nós. Será o Conselho Executivo que decide”, explica Victor Chan.

 

A revisão da Lei de Imprensa prevê a revogação dos artigos sobre o Conselho de Imprensa e os Estatutos dos Jornalistas. Durante cerca de 20 anos, ambos nunca foram criados e o Governo decidiu retirá-los do diploma.

 

Apesar de terem gerado discussão, outro artigo também motivou polémica no sector. Trata-se do ponto relacionado com a liberdade de acesso às fontes de informação, que limita a divulgação de documentos em segredo de justiça ou considerados pelas entidades competentes segredo de Estado. Mas Victor Chan garante que os jornalistas têm carta branca para publicar e emitir todas as informações.

 

“Na Lei de Imprensa, não há nenhuma disposição que regule quanto ao conteúdo que é divulgado”, assegura o director do GCS.

 

Entre Setembro e Outubro do ano passado, o Governo fez uma consulta pública sobre a revisão da Lei de Imprensa. No total, foram ouvidas as opiniões de cerca de 30 jornalistas de associações do sector e dos órgãos de comunicação social de Macau.

Quinta, 17/04/2014

A presença de Chui Sai On, em Coloane, e o anúncio de novas medidas de combate à poluição fazem os principais destaques da imprensa portuguesa desta manhã. Só o Hoje Macau ressuscita a polémica entre o arquitecto da antiga torre de controlo do grande prémio de Macau e a comissão organizadora do evento.

 

Jornais de Macau em Língua chinesa

 

O  Va Kio dá destaque à detenção de dois indivíduos oriundos de Xangai por suspeita de tráfico e consumo de droga. O jornal diz ainda que a PJ deteve uma mulher do Interior da China envolvida em três casos de furto. Por fim, há ainda uma referência à elevação e montagem, bem sucedidas, do tabuleiro da ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau.

 

Quanto ao Ou Mun, o diário dá ampla cobertura à visita de Chui Sai On a Ka Ho. O jornal cita o chefe do Executivo: “O Governo está determinado em resolver a questão da poluição em Ka Ho”.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

O Ou Mun Tin Toi está a avançar esta manhã que o número de vítimas do naufrágio do ferry na Coreia do Sul eleva-se agora para oito. Diz o Ou Mun Tin Toi que as buscas prosseguiram ao longo da noite e vão continuar com navios, helicópteros e mergulhadores.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

O Hoje Macau entrega a manchete à polémica entre o arquitecto Mário Duque e a Comissão do Grande Prémio por causa da destruição da antiga torre de controlo. Daí o título “Torre da discórdia”. Em grande plano, a visita de chui Sai On a Ka Ho. “O mundo em tons de cinzento” é o título.

 

“Povoação de Ka Ho mudou numa semana “, é a manchete do  Ponto Final que diz que “antes de o Chefe do Executivo chegar a Ka Ho foram plantadas 14 árvores, desimpedidos os caminhos e suspensas toda as obras. Os moradores pedem a Chui Sai On que os visite mais vezes”. O Ponto Final publica ainda uma entrevista com Fred Wesley. “Funk no coração” é o título da entrevista ao músico.

 

No Jornal Tribuna de Macau, “Empresa perde dinheiro mas continua a organizar eventos em Macau” referindo-se à empresa que organiza a Feira Internacional de Educação. Noutros títulos, o JTM assinala que há um esforço conjunto para eliminar poluição do ar em Ka Ho”.  E ainda, com remissão para as páginas centrais, “Costa Nunes vai receber alunos chineses”.

 

Hoje, sai o semanário O Clarim, com grafismo no cabeçalho renovado, edição bilingue, de inglês e português, e já com direcção de José Mario O. Mandia.  Publica em manchete “Viagem ao interior da Páscoa” e ainda “nunca mais escravidões”. Assinado no Vaticano um compromisso comum sobre esta questão.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Macau Post publica em manchete : “Jovens que frequentam discotecas mais predispostos ao sexo”. É o resultado de um estudo conduzido pela Igreja Anglicana em Macau.

 

 O jornal de Economia, Business Business Daily, surge com uma foto em grande destaque de Chan Mang Kam porque o deputado empresário avançou com uma proposta de exploração de um casino-resort, com características chinesas, na Austrália no valor de 37 mil milhões de patacas.

 

O Macau Daily Times publica uma grande fotografia do naufrágio do navio de passageiro ao largo da Coreia do Sul e o título é: “238 desaparecidos e 4 mortos em desatre de um ferry na Coreia do sul”. Em rodapé na primeira página surge a fotografia do novo director do semanário católico O Clarim para anunciar as mudanças na direcção e um novo suplemento em língua inglesa.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O China Daily dedica a manchete ao desatre do ferry na Coreia do Sul com imagem da embarcação e o título “Em busca dos sobreviventes do ferry” e ainda, à margem,  “Crescimento económico no primeiro trimestre desce para 7,4 por cento”.

 

O South China Morning Post publica uma grande foto do navio naufragado na Coreia do Sul. “277 desaparecidos depois de afundamento do ferry” é a manchete.

 

O mesmo assunto faz o destaque do The Standard. “Intensas buscas para salvara centenas do ferry” e lá surge uma imagem do barco abatido na água.